Principais tendências globais para o mercado de bem-estar e academias em 2021

16 janeiro 2021
Além de treinamento on-line, veja outras 9 tendências que prometem impactar o mercado de bem-estar e, por consequência, academias de ginástica em todo o mundo a partir de 2021. Vai um super spoiler: as academias não vão acabar.

Não foi só a sala ou algum outro cômodo da casa das pessoas que se transformou no novo local de trabalho em 2020. A pandemia da covid-19 também fez com que muitas pessoas adaptassem a garagem ou até mesmo a sala para a prática de atividade física que antes era feita nas academias de ginástica.

A adesão e a adaptação à nova realidade foram tão grandes que, até o mês de julho, 9 em cada 10 estadunidenses afirmaram que continuariam a se exercitar em casa mesmo depois que a pandemia passar. Esse foi um dos pontos destacados na pesquisa Future of Fitness, realizada pela Wakefield Research em julho, entre 1.000 adultos norte-americanos que disseram que se exercitam regularmente. 90% dessas pessoas descreveram a rotina de exercícios em casa como eficaz.

Acessibilidade, privacidade e custo estão entre os principais benefícios de malhar em casa, apontados por 85% dos entrevistados.

À medida que academias e outros estabelecimentos iam sendo fechados devido ao isolamento social imposto pelo coronavírus, a tendência de videoaulas e lives foi fortalecida. Se você optou por manter sua assinatura em alguma rede de academias, deve ter recebido conteúdo em streaming com videoaulas.

Além das aulas on-line, a consultoria WTS International destacou outras 9 tendências que prometem impactar o mercado de bem-estar e, por consequência, academias de ginástica em todo o mundo a partir de 2021. Vai um super spoiler: as academias não vão acabar.

Leia também:

A importância da auditoria contábil para a sua rede de academias

Principais tendências globais para o mercado de bem-estar e academias em 2021

  1. Purificação de ar

Segundo a Environmental Protection Agency (EPA) dos EUA, a qualidade do ar em lugares fechados pode ser 2 a 5 vezes mais poluída do que o ar externo. Como os consumidores têm interesse em inovações tecnológicas que consigam eliminar qualquer tipo de partícula maléfica à saúde, cientistas estão empenhados em encontrar alternativas que removam vírus como o coronavírus do ar. A expectativa do novo consumidor é que empresas com espaços fechados compartilhados tenham sistemas de filtragem de ar para evitar que doenças se proliferem.

  1. Bem-estar mental

Os cuidados com a saúde mental durante e após a pandemia seguirão firmes com o auxílio da tecnologia. Aplicativos agora ajudam as pessoas a se manterem mais focadas e produtivas realizando pequenas pausas destinadas a meditações. Com recursos por meio de tecnologias vestíveis (wearables) com vibrações e terapia de som, a expectativa é que corpo e mente estejam mais em harmonia para que haja uma melhora significativa também no humor.

  1. Treinamento on-line

Os treinamentos on-line salvaram vidas de pessoas físicas e jurídicas. Além da possibilidade de continuar a atender seus clientes, as academias de ginástica puderam expandir a carteira de clientes que conseguem se conectar aos profissionais de educação física da academia de qualquer lugar do mundo. Essa tendência se manterá forte em 2021 principalmente para 63% das pessoas que pretendem manter uma experiência híbrida: indo a academia alguns dias da semana e optando por fazer alguns treinamentos em casa por meio de videoaulas.

  1. Saúde circadiana

Com o trabalho home office, as pessoas se deram conta de que não bastava dormir, é necessário, sobretudo, descansar. A qualidade do sono influencia diretamente na saúde circadiana, ou seja, no relógio biológico, na imunidade e por consequência na qualidade de vida das pessoas.

Fonte: Acessar tweet

Trabalhando de casa, a probabilidade de passar muito mais tempo sob luzes de dispositivos como a tela do computador, do smartphone, da TV etc. é muito maior do que na modalidade de trabalho tradicional. Estar o tempo inteiro ocupado com os olhos focados em uma tela não é um veredito de produtividade.

Para melhorar a qualidade do sono, será necessário criar tecnologias inteligentes que consigam sozinhas diminuir as luzes dos dispositivos, adequar a temperatura ambiente, fornecer aromas relaxantes e disponibilizar faixas sonoras para o corpo humano “desligar”.

Leia também:

Fechamento de caixa remoto: 3 pontos para vencer os desafios no home office

Passo a passo: como fazer conciliação bancária

  1. Saúde linfática

Responsável pela eliminação de resíduos das células do corpo humano, o sistema linfático é potencializado por meio de drenagem linfática que acaba contribuindo com o sistema imunológico das pessoas. Outros programas de exercícios serão tendência, como aulas de cama elástica e alongamento dinâmico, além de escovação a seco para tratamentos faciais.

  1. Mais natureza

Quanto mais tempo passam em casa, mais as pessoas sentem necessidade de se conectar com a natureza, seja fazendo uma viagem de carro para alguma cidade interiorana, seja praticando atividades físicas ao ar livre, como caminhadas e corridas, bicicleta.

Os também chamados “jardins COVID” — cultivo de plantas dentro de casa durante a pandemia — são a nova tendência para quem busca se conectar mais com a natureza e com o natural, uma vez que o cultivo de plantas ajuda na limpeza do ar e também denota companheirismo entre humanos e a mãe natureza.

  1. Design de bem-estar

Bastante ligada à tendência anterior, a sétima tendência está relacionada ao design do espaço onde se pratica a atividade física. Parafraseando Leonardo da Vinci, mais do que nunca, o último grau de sofisticação que o novo consumidor quer são as coisas mais simples. Os ambientes fechados vão dar lugar a estruturas que prezem pelo ar fresco onde as interações sociais possam acontecer com menos riscos de disseminação de vírus.

  1. Telemedicina e cuidados on-line

Com a possibilidade de melhorar a acessibilidade ao atendimento à saúde por meio da telemedicina, os cuidados se concentrarão muito mais na prevenção interligada com hábitos saudáveis e a prática de atividade física. A tecnologia permitirá que profissionais de diversas áreas da saúde, incluindo os de educação física, façam um checkup mais completo possível por meio do compartilhamento dos dados de saúde das pessoas. Além disso, as inovações abrem caminho para tecnologias com aplicativos que permitem testes em casa por meio de uma “varredura corporal 3D”.

  1. Medicina natural

Uma forte tendência se refere a busca por soluções alternativas aos habituais problemas de saúde, como estresse, ansiedade, dores e até sono desregulado: substâncias naturais com propriedades medicinais. As lanchonetes, cafeteiras etc. dentro de academias passarão a vender seus produtos com tais substâncias naturais como opções para serem acrescentadas a sucos, cafés, smoothies, açaís etc. A pesquisa da WTS International prevê que até mesmo curativos do tipo “band-aid” também poderão ter versões com substâncias naturais para potencializar a cicatrização.

  1. Comportamento pós-pandemia

O quarto e a sala viraram escritório, a garagem agora é um espaço adaptado para exercícios físicos. As viagens de negócios ao exterior deram lugar para reuniões on-line. Até mesmo as viagens de lazer ao exterior deram espaço para as viagens de carro a cidades do interior do Brasil. Caminhadas ao ar livre, passeios de bicicleta, cultivo de plantas dentro de casa, a busca por uma vida mais “simples” e saudável são tendências que merecem ser observadas nos próximos meses e anos.

A forma de se relacionar pode ter mudado nos últimos meses, mas a necessidade de estar em contato com outras pessoas permanece.

Sem dúvidas que a covid-19 impactou o setor de bem-estar e fitness e a maneira como as pessoas passaram a cuidar da saúde física e mental, mas nada disso quer dizer, em contrapartida, que as academias vão acabar quando a pandemia passar.

Categorias

Saiba das novidades
Os meios de pagamento evoluem a cada dia,
nossa solução também.