As tendências do varejo para os próximos anos

13 dezembro 2019
O setor de varejo vem evoluindo em ritmo acelerado nos últimos anos, graças ao crescimento exponencial dos avanços tecnológicos projetados para ajudar os negócios dessa área. Há muitos novos desenvolvimentos interessantes no mundo do comércio (físico e digital) que se tornaram mais proeminentes em 2019 e devem atingir ainda mais empresas em 2020. Mas antes de falar sobre essas tecnologias, é importante considerar algumas informações sobre o cenário atual

O setor de varejo vem evoluindo em ritmo acelerado nos últimos anos, graças ao crescimento exponencial dos avanços tecnológicos projetados para ajudar os negócios dessa área. Há muitos novos desenvolvimentos interessantes no mundo do comércio (físico e digital) que se tornaram mais proeminentes em 2019 e devem atingir ainda mais empresas em 2020.

Mas antes de falar sobre essas tecnologias, é importante considerar algumas informações sobre o cenário atual:

A expectativa para o mercado brasileiro de vendas online em 2019 ainda é de crescimento. De acordo com estimativas da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm) é provável que o faturamento de vendas no e-commerce chegue a quase R$80 bilhões até o final do ano. Isso indica um crescimento de 16% quando comparado à 2018.

Outra informação valiosa é que os dispositivos móveis ainda permanecerão como centro das atenções. A expectativa é de que 33% das vendas sejam feitas por meio de celulares e tablets.

E quanto ao cenário mundial?

Quando olhamos para o cenário global, é possível identificar o aumento dos investimentos com tecnologia, atingindo US$ 203,6 bilhões em 2019, segundo um estudo da empresa Gartner, que é referência internacional em pesquisas de mercado. 

Isso indica que os varejistas estão apostando em operações tecnológicas projetadas para tornar a experiência de compra mais conveniente e personalizada para os clientes.

Confira algumas dessas operações que vão “roubar a cena” nos próximos anos:

1 – Análise preditiva e Machine Learning

O aprendizado de máquina (ML), que consiste em tecnologia que reúne grandes quantidades de dados e identifica padrões dentro deles, continuará ganhando destaque. A análise preditiva (PA) leva esse conceito um passo adiante ao prever o comportamento e as tendências usando dados – uma habilidade que é particularmente útil na esfera do varejo.

Algumas empresas já desenvolveram ferramentas que conectam o offline ao mundo online, coletando comportamentos de consumo de seus consumidores, através de informações demográficas, comportamentais e de estilo de vida. Desta forma, as empresas conseguem personalizar ofertas e produtos 

Os varejistas também estão focando em maneiras de otimizar o gerenciamento de estoque e o processo de gestão em si, pois ter muito ou pouco produto pode prejudicar seus resultados. 

Felizmente, a análise preditiva facilita para as empresas reduzirem o valor que gastam em inventário, além de garantir que o estoque que estão comprando não fique parado. Algoritmos analíticos avançados podem determinar áreas de alta demanda e tendências crescentes de vendas com o objetivo de otimizar a entrega para garantir que os itens certos sejam levados às lojas certas.

A tecnologia também ajuda os varejistas a estabelecer os melhores preços – um processo que tradicionalmente se baseia em dados históricos e tendências sazonais. Um estudo já constatou que empresas perdem até 40% de seu faturamento pela precificação incorreta. No entanto, o crescimento do comércio eletrônico levou muitas empresas a encontrar novas maneiras de definir preços.

Com o PA, os varejistas podem determinar os melhores horários para aumentar ou diminuir gradualmente os preços, o que é mais eficaz do que mudá-lo drasticamente. Tais tecnologias podem considerar níveis de estoque, preços da concorrência e demanda atual. 

Com base nesses dados, as empresas e as ferramentas aprendem como devem ajustar seus preços, o que pode gerar um receita de até 30% superior e lucros de até 10% a mais, de acordo com a QuickLizard.

Leia também: Big data é prioridade no setor financeiro.

2 – Foco na segurança de aplicativos móveis

Os varejistas, especialmente os e-commerces, temem a possibilidade de uma violação de dados expondo as informações pessoais de seus clientes. Para combater essa preocupação, mais empresários migrarão seus dados e aplicativos para a nuvem, protegendo seus servidores e bancos de dados. 

O armazenamento em nuvem é mais seguro, porque geralmente é mais fácil para os cibercriminosos acessar um local de armazenamento centralizado, como um computador ou dispositivo móvel. A nuvem também oferece recursos de criptografia mais avançados.

Além das práticas tradicionais de segurança cibernética, como firewalls e com o protocolo de segurança SSL, mais e-commerces adicionam autenticação de múltiplos fatores.

Também é possível exigir que os funcionários usem logins com verificação em duas etapas, permitindo que apenas os que possuem o computador e/ou os dispositivos móveis se conectem aos servidores da empresa.

A implementação desses recursos de segurança ajudará bastante a manter os cibercriminosos afastados. 

3 – Gerenciamento de inventário em tempo real e uma abordagem omnichannel

Os varejistas online têm mudado para uma abordagem omnichannel, o que significa que eles comercializam para os consumidores por meio de vários canais, como aplicativos para dispositivos móveis, anúncios por e-mail e sites. A ideia é saber como alcançar os consumidores através da plataforma certa, aumentar as vendas e a fidelidade à marca.

Mais empresas estão investindo em marketing omnichannel à medida que os comportamentos de compra continuam mudando. O gerenciamento de inventário em tempo real é um elemento-chave desse movimento. Afinal, uma estratégia omnichannel só pode ter sucesso se a cadeia de suprimentos, os pedidos e os estoques estejam sincronizados em todos os canais.

Essa sincronização abre o caminho para oferecer várias opções de entrega, o que mostra aos clientes que a empresa é flexível o suficiente para acomodar diferentes preferências de compra. Por exemplo, um varejista pode entregar diretamente aos clientes, deixá-los buscar o item em uma loja ou devolvê-los no endereço físico, mesmo comprando online.

Para executar com êxito uma abordagem omnichannel, é necessário um controle de inventário único que seja atualizado periodicamente. O controle unificado monitora e compartilha a localização dos itens com todas as lojas em tempo real. 

Essa rota também garante que todas as lojas tenham as mesmas informações em relação aos preços dos itens, pois atrasos nas atualizações de preços podem reduzir a margem de lucro de um varejista.

Leia também: As boas práticas do setor financeiro de alta performance

4 – Aproveitamento do potencial do Blockchain

Todo mundo já ouviu falar de blockchain neste momento e por boas razões; a tecnologia que serve como espinha dorsal das criptomoedas tem muito potencial para avançar. O Blockchain consiste em arquivos digitais descentralizados, projetados para transmitir informações financeiras ou outros dados.

Quando se trata de Bitcoin e outras criptomoedas, o blockchain oferece aos varejistas uma maneira mais acessível de aceitar pagamentos, ajudando a reduzir as taxas de transação. Os pagamentos dos clientes se tornam mais seguros e os clientes podem ter maior flexibilidade em termos de como pagam pelos itens.

Além disso, o blockchain pode ser usado para rastrear um item da produção à loja e ao consumidor. Essa visibilidade ajuda a garantir que as empresas de varejo atendam aos regulamentos e requisitos necessários em seu setor.

O Blockchain também está possibilitando o compartilhamento de informações de garantia do produto dos servidores de um varejista por meio da nuvem, facilitando a atualização ou transferência de uma garantia a qualquer momento, reduzindo alguns dos obstáculos administrativos associados ao gerenciamento dos mesmos.

Previsão para o varejo 2020

No próximo ano, veremos as tecnologias emergentes se expandindo de maneiras muito empolgantes. Graças a esses avanços, as operações se tornarão mais rápidas e seguras, com os clientes desfrutando de uma experiência de compra mais flexível e conveniente. Trata-se de alavancar a tecnologia de ponta para ajudar as empresas de varejo a alcançar seu potencial máximo.

E para garantir que você possa aproveitar ao máximo todas essas tendências e fazer sua empresa crescer de forma saudável, é fundamental contar com bons parceiros, principalmente quando o tema estiver relacionado com o recebimento de pagamentos.

A Equals pode ser esse parceiro, já que nosso foco é ajudar a conciliação financeira de diferentes canais, meios de pagamento e adquirentes. 

Em poucas palavras, somos um sistema para suportar grandes volumes de vendas, sem deixar de receber por todas as transações.

Aproveite e conheça nosso material especial sobre conciliação financeira e como essa prática pode escalar a sua empresa!

Categorias

Saiba das novidades
Os meios de pagamento evoluem a cada dia,
nossa solução também.